Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MERCEARIA MAGINA

MERCEARIA MAGINA

10
Fev17

Chamemos-lhe distração

 

dude-wheres-my-car-53b50d223e755.png

 

 

Uma característica minha é que sou distraída. Não com tudo, isto é, pelo menos até hoje nunca saí de casa com o fogão ligado. Mas é provável passar pelo meu pai na rua, a um metro de distância e não vê-lo. Sim, já aconteceu. Às vezes tenho a sensação de "acordar" dos meus pensamentos que nem por isso têm que ser filosóficos, posso apenas estar a pensar na conta da luz. Não uso óculos mas tenho a certeza que se usasse, seria daquelas pessoas que perdem 10 minutos à procura dos óculos, com eles postos na cabeça. Resumindo, sou um pouco anhada. E o que é pior do que uma anhada? Dois anhados. Chamem-lhe destino ou karma, não sei, a verdade é que consegui a 1300km distante de casa, numa cidade com mais de um milhão e meio de pessoas, apaixonar-me por uma pessoa tão ou mais anhada do que eu. Exacto, refiro-me ao meu catalão. 

 

Diz-se que "quem mais jura mais mente" mas eu juro-vos que histórias de anhanços nossos, é o que não falta. Contudo há uma que, para mim, está no top five anhanço's stories: o dia em que perdemos o carro. Ora bem, tudo começou numa quinta feira à noite quando, depois de um jantar com amigos, fomos para casa e estacionámos o carro, como sempre algures aqui à volta. No dia seguinte, sexta feira, nenhum nós usou o carro mas através da aplicação no telemóvel, mi chico, foi pagando o parquímetro. Tudo bem até que sábado decidimos ir já não sei onde. Saímos de casa e instintivamente começámos a subir a rua, até que surgiu a primeira hesitação "Lembras-te onde deixámos o carro?" pergunta-me ele, "Acho que aqui pra cima, hmm, duas ruas para a esquerda..?". Posso-vos dizer que nos primeiros 15 minutos à procura do carro até tinha vontade de me rir da nossa parvoíce mas, quando 45 minutos depois ainda não tínhamos encontrado o carro, eu não só estava irritada como também começava a achar que nos tinham roubado o carro. Como é que era possível nenhum dos dois lembrar-se onde tínhamos deixado o carro estacionado?! Nós percorremos sem exagero 4 ruas para cima, 4 ruas para baixo, 4 ruas para a direita, 4 ruas para a esquerda e nada da merda do carro.

 

 

Decidimos parar, sentar-nos num café e pensar. Já tínhamos tentando encontrar o carro através da aplicação mas era impossível pois não nos dizia em que rua estava estacionado. Decidimos então ligar para a "emel" cá do sítio que, através da matrícula do carro, conseguiu ver que tinham sido realizados pagamentos via online no dia anterior e a que zona pertenciam...dentro da zona, a rua exacta! Palmas senhores, palmas! Um grande obrigada a todos os engenheiros, informáticos e programadores que fazem deste mundo, um mundo melhor para pessoas tão anhadas como nós. Só vos digo isto: dentro do perímetro em que estivemos à procura do carro, esta foi a ú-ni-ca rua em que não passámos. 

09
Fev17

Vendedora em potência

bici.PNG

 

Em Setembro comprei uma bicicleta praí em terceira mão a um amigo que ia voltar para Itália. Durante meses andei feliz da vida, ia de bicicleta para todo o lado, impossível resistir e não cantarolar Shakira:

"A mí manera, despelucado; En una bici que me lleva a todos lados"  

A bicicleta rapidamente transformou-se no meu meio de transporte particular, estacionava-a todos os dias à porta de casa e durante algum tempo deixei mesmo de saber o que era andar. Uma noite, ao tirar o cadeado do assento para pô-lo na roda da frente, parti a chave dentro do mesmo. Quem é que tem jeitinho, quem é? Avante. Pensei que não houvesse problema, afinal tinha outro cadeado e podia deixar a bicicleta presa por uma roda, só por uma noite. Wrong answer! Não, não podia. Uma noite bastou para que me roubassem a roda da frente, para que me sentisse estúpida e para que não tivesse vontade de gastar dinheiro com a bicicleta (tinha posto uns travões novos duas semanas antes). Os dias foram passando, eu fui olhando para ela, ela foi olhando para mim mas a relação não voltou a ser mesma. Estavamos desiludidas uma com a outra, diria eu. Há coisa de uma semana decidi vendê-la, assim naquela da amizade e se me dessem o dinheiro que eu pedia tudo bem, caso contrário, batatinhas. Definitivamente não estavamos destinadas uma à outra. Comprei a bicicleta com duas rodas por 60€ e vendi-a com uma roda por 30€. Não se surpreendam se um dia destes vos tocar à campainha e tentar vender-vos uma enciclopédia. Como principiante a vendedora, sinto que há todo um potencial em mim por explorar. 

08
Fev17

Alma Lusitana #1

Trucos-para-preparar-un-café-5-estrellas-en-casa.

 

Quem leu este post sabe que eu vivo em Barcelona. Vivo em Barcelona há quase 4 anos e adoro, no entanto não estou aqui para falar de Barcelona...ela merece um post só seu. Estou aqui para falar daquela palavra unicamente portuguesa, a saudade. Ao longo do tempo fui percebendo do que sentia falta e do que realmente sentia saudades. Coisas, não pessoas. Que rufem os tambores, estreamos a rúbrica Alma Lusitana com uma das coisas que sinto - diariamente - saudades: café!

Tenho saudades de beber um café bem tirado por 0,60€, tenho saudades de beber um café de pé ao balcão sem que isso signifique que esteja com pressa, tenho saudades de discutir o último jogo do Benfica enquanto bebo um café, tenho saudades de beber um café enquanto espero, tenho saudades de pedir "um café e um pastel de nata por favor", tenho saudades de encontrar um Delta ao virar da esquina.

Beber um bom café em Barcelona (digamos mesmo Espanha) é uma missão digna do James Bond e não me chamem exagerada. Comecemos pelo preço pornográfico que nos pedem por um café que não passa de água castanha, muitas vezes acompanhado por uma colher de chá. Onde é que andam as colheres de café senhores? Não me lixem, como se isto não fosse suficientemente triste, ainda nos perguntam no final de uma refeição "café solo o cortado?"...eu lá tenho cara de quem gosta de beber um mini galão depois de uma salada de atum? Solo por favor, café solo! 

 

 

07
Fev17

Pouco provável?

 

why me.jpg

 

 

Acho que desde sempre acontecem-me coisas pouco prováveis. Para o bom e para o mau, há que dizê-lo. Corria o ano de 2012, um dos anos assim mais chatinhos de que tenho memória, quando conduzia a caminho de casa depois de um dia de trabalho. Na altura trabalhava em auditoria e lembro-me que vinha de Almeirim onde tinha passado o dia a comer sopa da pedra numas contágens físicas, coisa um tanto ou quanto aborrecida. Pois então, estou eu a subir a rua antecedente à minha quando vejo um carro, no sentido oposto, a vir na minha direcção. Tudo bem, penso "ainda está longe, ele já se desvia" mas apercebo-me que tal não acontece. Buzino-lhe em modo "chega-te para lá car***" enquanto olho para dentro do carro para alertar o condutor. Pessoal, não havia condutor! Não ia ninguém no carro mas o carro vinha na minha direcção! Por um segundo senti que o meu cérebro não recebia a informação mas não havia tempo para isso. Rapidamente, olhei pelo espelho e pus marcha atrás na tentativa de safar-me. Esta é a parte em que podia dizer que a minha veia Michael Knight funcionou contudo, nem o meu carro era o Kitt nem eu tinha margem de manobra para o que fosse, sendo que acabei mesmo foi por levar com o carro fantasma em cima. Convenhamos que a rua, ao não ser muito inclinada, não permitiu que o carro ganhasse muita velocidade maaas ver um carro vir de frente na nossa direcção não é para cardíacos. Ok, bateram-me mas e agora, agora falo com quem?! A sério, tudo muito inédito. De repente, sem me aperceber estava rodeada de pessoas "está bem?", "ai que estranho, então mas não estava ninguém no carro?", "carro mal travado de certeza"...inspiro, expiro, inspiro, expiro..."Alguém sabe de quem é o carro?", pergunto entre o irritada e o incrédula, com uma enorme vontade de me rir do ridículo da situação. Felizmente apareceu um senhor, um porteiro de um prédio, no qual tinha entrado uma senhora "...num instantinho..." e tinha deixado o carro "...estacionado em segunda fila". Mistério desvendado, em poucos minutos apareceu a dona do carro - que não queria acreditar no que tinha acontecido - e tudo se resolveu. Ainda hoje não consigo contar isto sem rir, seja da história em si ou da cara que as pessoas fazem ao ouvi-la. Digam-me lá se a vocês, também acontecem destas cenas.

06
Fev17

Sobre o La La Land

A malta não se cala com o La La Land e eu, que já estava a ficar nervosa, pus-me a caminho do cinema. Gostei porque fez-me sonhar mas, gostei particularmente, do efeito inquietante que o final - tão realista - teve em mim. Para mim o Amor é e será sempre um dos sentimentos mais nobres que podemos ter o privilégio de sentir. 

 

"City of stars
Are you shining just for me?
City of stars
There's so much that I can't see
Who knows?
I felt it from the first embrace I shared with you
That now our dreams
They've finally come true"

06
Fev17

Coisas que (me) dão vontade de revirar os olhos

0

 

 

  • quando chegas a casa e a tua mãe pergunta-te "já chegaste?!" (já não acontece mas marcou-me para a vida)
  • quando de manhã ainda estás a ligar o computador e o teu colega já está a falar-te de trabalho
  • quando ouves pela 57ª vez a piada que os espanhóis só vão a Portugal para comprar toalhas
  • quando alguém tenta convencer-te a mudar de clube
  • quando pedem que vejas se está a chover, tu confirmas e respondem "está a choveeeer??"
  • quando no trânsito deixas alguém passar e a pessoa deixa o carro ir abaixo
  • quando estás nervosa e pedem-te que tenhas calma (pffffuu...inspiro, expiro)
  • quando entalas o dedo e perguntam-te "magoaste-te?"
  • quando tens que contar a mesma (longa) história a várias pessoas em separado
  • quando estás à espera que o verniz seque e estragas uma unha
  • quando teimam contigo e sabes que não têm razão
  • quando deixas que as torradas se queimem
  • quando estás à pressa e pedem-te que te despaches
  • quando perdes o metro por 3 segundos, ainda o vês partir e percebes que faltam 7 minutos para o próximo chegar
  • quando insistem que escolhas e depois refutam a tua sugestão
  • quando o teu voo está atrasado
  • quando tens que fazer uma mudança pela 3ª vez num ano
  • quando estás quase a terminar de montar um móvel do Ikea e falta-te uma peça
  • quando esperas uma chamada e ficas sem bateria 

 

Nota: esta lista é objecto de futuras actualizações. 

02
Fev17

A culpa é sempre dos mais novos

Estava eu no supermercado, na fila da caixa para pagar quando recebo um pequeno encontrão. Nada de especial, apenas uma senhora com os seus 65 anos a passar por detrás de mim. Noto que fica ali, olho outra vez para confirmar e penso "isto é que é estar à vontadinha". A senhora simplesmente colou-se à fila passando à frente de 3 pessoas. Como não era nada comigo decidi ficar na minha, se ninguém protesta, não vou ser eu. Quando a rapariga da caixa já está a passar as minhas compras, ouço "Perdona pero yo voy primero, la señora se ha colado!". Ah...quem não gosta de uma bela discussão ao final do dia numa caixa de supermercado? Ainda pensei ir rapidamente buscar um pacote de pipocas e ficar a assistir ao espetáculo mas tinha coisas para fazer e continuei com a minha vida. Claro está que a senhora ficou ofendidíssima até porque só tinha uma laca de cabelo na mão, qual era o mal?! A rapariga, do alto da sua calma ainda tentou explicar que o problema não era o número de artigos, era sim a atitude mas não foi bem sucedida. Não demorou muito até a senhora, indignada, abandonar a fila enquanto gritava à rapariga "eres una mal educada!". Senhoras e Senhores ultrapassadeiros de filas de supermercado, vamos ver se nos entendemos: a idade não é desculpa para tudo. Tenham juízo que já têm idade para isso.

02
Fev17

Partilhemos manias #1

Eu juro que gostava ser daquelas pessoas que vai ao cabeleireiro para cortar as pontas, "dois dedinhos", e sai de lá com menos duas mãos de cabelo...na boa, leves e contentes! Juro que gostava, mas não sou. Eu sou daquelas que põe-se frente ao espelho a imaginar como ficaria, procura fotos na net para mostrar à cabeleireira o que quer (just in case) e que cumpre uma regra básica nisto que é a arte de cortar a juba: só corto o cabelo quando a lua está em quarto crescente. Sempre. E ninguém me convence do contrário!

Partilhemos manias, quem está comigo e só corta o cabelo com a lua em quarto crescente?

Pág. 4/4

Mais sobre a mim

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D