Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MERCEARIA MAGINA

MERCEARIA MAGINA

10
Fev17

Chamemos-lhe distração

 

dude-wheres-my-car-53b50d223e755.png

 

 

Uma característica minha é que sou distraída. Não com tudo, isto é, pelo menos até hoje nunca saí de casa com o fogão ligado. Mas é provável passar pelo meu pai na rua, a um metro de distância e não vê-lo. Sim, já aconteceu. Às vezes tenho a sensação de "acordar" dos meus pensamentos que nem por isso têm que ser filosóficos, posso apenas estar a pensar na conta da luz. Não uso óculos mas tenho a certeza que se usasse, seria daquelas pessoas que perdem 10 minutos à procura dos óculos, com eles postos na cabeça. Resumindo, sou um pouco anhada. E o que é pior do que uma anhada? Dois anhados. Chamem-lhe destino ou karma, não sei, a verdade é que consegui a 1300km distante de casa, numa cidade com mais de um milhão e meio de pessoas, apaixonar-me por uma pessoa tão ou mais anhada do que eu. Exacto, refiro-me ao meu catalão. 

 

Diz-se que "quem mais jura mais mente" mas eu juro-vos que histórias de anhanços nossos, é o que não falta. Contudo há uma que, para mim, está no top five anhanço's stories: o dia em que perdemos o carro. Ora bem, tudo começou numa quinta feira à noite quando, depois de um jantar com amigos, fomos para casa e estacionámos o carro, como sempre algures aqui à volta. No dia seguinte, sexta feira, nenhum nós usou o carro mas através da aplicação no telemóvel, mi chico, foi pagando o parquímetro. Tudo bem até que sábado decidimos ir já não sei onde. Saímos de casa e instintivamente começámos a subir a rua, até que surgiu a primeira hesitação "Lembras-te onde deixámos o carro?" pergunta-me ele, "Acho que aqui pra cima, hmm, duas ruas para a esquerda..?". Posso-vos dizer que nos primeiros 15 minutos à procura do carro até tinha vontade de me rir da nossa parvoíce mas, quando 45 minutos depois ainda não tínhamos encontrado o carro, eu não só estava irritada como também começava a achar que nos tinham roubado o carro. Como é que era possível nenhum dos dois lembrar-se onde tínhamos deixado o carro estacionado?! Nós percorremos sem exagero 4 ruas para cima, 4 ruas para baixo, 4 ruas para a direita, 4 ruas para a esquerda e nada da merda do carro.

 

 

Decidimos parar, sentar-nos num café e pensar. Já tínhamos tentando encontrar o carro através da aplicação mas era impossível pois não nos dizia em que rua estava estacionado. Decidimos então ligar para a "emel" cá do sítio que, através da matrícula do carro, conseguiu ver que tinham sido realizados pagamentos via online no dia anterior e a que zona pertenciam...dentro da zona, a rua exacta! Palmas senhores, palmas! Um grande obrigada a todos os engenheiros, informáticos e programadores que fazem deste mundo, um mundo melhor para pessoas tão anhadas como nós. Só vos digo isto: dentro do perímetro em que estivemos à procura do carro, esta foi a ú-ni-ca rua em que não passámos. 

6 comentários

Comentar post

Mais sobre a mim

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D